Cerca de 200 monges à mesa no Mosteiro de Santa Maria de Salzedas

O Jantar Monástico regressou mais uma vez ao Vale do Varosa e voltou a receber os “seus monges”. Cerca de duas centenas de participantes voltaram a evocar o papel histórico da Ordem de Cister, numa edição dedicada ao cereal mais importante na história da região: o milho.

“De painço a graúdo” foi o tema da sétima edição que voltou a ter um programa alargado com um conjunto de visitas, que terminou no Claustro do Capítulo do Mosteiro de Santa Maria de Salzedas.

Pela primeira vez desde a criação deste evento, os participantes tiveram acesso pleno à rede de monumentos Vale do Varosa, depois de em julho de 2016 ter aberto ao público os centros interpretativos do Mosteiro de São João de Tarouca e do Convento de Santo António de Ferreirim.

Ao longo da tarde os “monges” passaram pelo Convento de Santo António de Ferreirim, Mosteiro de São João de Tarouca, Ponte Fortificada de Ucanha e Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, num conjunto de visitas brindades por uma chá gelado depois da visita ao Horto Monástico de São João de Tarouca, não tivesse o dia sido um dos mais quentes do mês de junho.

No final, a ementa fez jus à importância histórica do milho. O milho painço fez durante toda a Idade Média parte importante da dieta portuguesa. Com a expansão portuguesa, no século XVI dá-se a introdução de um novo tipo de milho, o graúdo, que pela sua elevada produção veio revolucionar a alimentação em Portugal, contribuindo para um dos maiores aumentos populacionais do reino até então. Este peso histórico manteve-se na região até à atualidade, sendo o milho uma das bases mais tradicionais da gastronomia local, encontrando-se ainda hoje ao longo do rio Varosa centenas dos tradicionais moinhos de rodízio onde inalteradamente durante séculos o milho foi moído.

Com menu de chancela da Escola de Hotelaria e Turismo do Douro, serviço da Quinta do Paço, vinhos da Quinta de Mosteirô, cerveja artesanal da Sabores Monásticos e espumantes Hehn, o Jantar Monástico é uma iniciativa da Direção Regional de Cultura do Norte, Museu de Lamego e projeto Vale do Varosa, contando com o apoio da Liga dos Amigos do Museu de Lamego, Câmara Municipal de Tarouca, Junta de Freguesia de Salzedas, Centro de Tropas de Operações Especiais e Escola Superior de Tecnologia e  Gestão de Lamego.